É essa necessidade de falar e falar e falar o tempo todo que me faz, mais uma vez, escrever sobre o que eu sinto.
Não que tudo aqui escrito seja verdadeiro, pode ser que eu somente tenha descrito alguma vontade-fantasia-ilusão.
Nem todos os textos são atuais, retiro alguns de blogs, fotologs e diários antigos.
Não tente entender, não tente compreender.

A verdade e a mentira só existem na sua cabeça.

*

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Sonhos do destino.


Eu tento não acreditar nas porcarias dos sinais que a vida me manda. Eu tento passar ilesa e não dar muita bola pra nada disso, mas tem hora que esse destino vem e me da cada soco na boca do estômago... não dá pra não dizer que as coisas não estão todas conectadas.

Dois dias atrás eu tive um sonho super estranho. Super estranho mesmo. Daqueles sonhos realistas, que você sente que tá lá de verdade. Era basicamente assim, eu estava em um navio, mas um navio que não era conhecido. O J. estava lá, continuava o mesmo e eu continuava sentindo a mesma coisa por ele... Ele estava assinando um contrato, eu tinha certeza que ele estava sendo transferido para outro navio e entrei em desespero. Na verdade ele só estava trocando de cargo, estava virando "connoisseur", seja lá o que for isso. Muitas coisas aconteceram, mas o que mais marcou foi no final, quando eu estava em um jantar com umas amigas e ele disse assim, em português, com todas as palavras: "Eu te amo". Todo mundo ficou meio sem reação e ele repetiu "eu te amo".  Eu consigo lembrar do seu rosto dizendo essas palavras, dessas 7 letras saindo de sua boca, com sotaque francês. Eu ainda tive uma amiga me dizendo que não gostava do jeito que ele brincava comigo, mas mesmo assim fiquei muito balançada.

Ok. Fim do sonho, mas e aí?

Há mais ou menos uns 5 dias eu recebi um email de uma amiga, dizendo que ele estava saindo com uma garota lá no navio. Eu fiquei devastada, senti que meu mundo estava acabando. Chorei mais uma vez e disse chega. Cancelei seu feed no facebook e me proibi de ver qualquer coisa relacionada a ele. Chega sabe? Chega de ficar vendo aquilo que provavelmente nunca vai ser meu ou sei lá, vai que seja um dia e eu fico só sofrendo agora? Eu sei que mesmo que a gente fique juntos no futuro, nós provavelmente ainda vamos ter outras pessoas durante o caminho. É coisa da vida e eu aceito assim.

Mas a vida, ah a vida, essa caixinha de surpresas...

Eu tenho me comportado muito bem, tenho evitado pensar nele, tenho ficado longe do facebook e assim a vida continua. Até que hoje eu resolvi procurar uma foto antiga e um monte de coisa começou a pular na minha frente.

Uma foto dos nossos celulares de trabalho juntos.
Uma foto da nossa primeira garrafa de vinho na minha cabine. Zinfandel.
Um print screen de uma música que eu fiz ele ouvir a noite inteira no repeat, porque sim. 
Fotos daquele dia que ele foi embora e eu chorei, chorei, chorei demais.
Algumas das fotos mais bonitas que já tirei na vida.

E quando eu olho a data para relembrar, eu tive um choque. Minha mente perdida me disse que hoje era dia 20 de agosto. Se fosse dia 20 de agosto, isso significaria que na noite que tive o sonho com ele, fariam 3 anos que ele me deixou. 3 anos pensando em um só homem. 3 anos sem saber como continuar e como seguir em frente. Ainda não sei, depois de 3 anos.

A ficha caiu e vi que estamos em julho, são 2 anos e 11 meses. É tempo demais para guardar uma pessoa dentro do coração e não conseguir deixar ir embora.

Eu ainda penso em você todos os dias e acho difícil que tenho passado um dia sem pensar. São tantas, tantas coisas que só palavras não conseguem descrever.

O que você faz comigo só pode ser coisa do destino.