É essa necessidade de falar e falar e falar o tempo todo que me faz, mais uma vez, escrever sobre o que eu sinto.
Não que tudo aqui escrito seja verdadeiro, pode ser que eu somente tenha descrito alguma vontade-fantasia-ilusão.
Nem todos os textos são atuais, retiro alguns de blogs, fotologs e diários antigos.
Não tente entender, não tente compreender.

A verdade e a mentira só existem na sua cabeça.

*

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Encontro Furado e Ficha que Caiu


Hoje eu tive um dos encontros mais furados da minha vida. Aliás, se não aconteceu, não posso chamar de encontro.

Tem esse cara que eu fiquei pela primeira vez 9 anos atrás, eu era só uma menina novinha e virgem que não sabia nada da vida. Mas agora não vem ao caso essa história. Esse cara reapareceu na minha vida mês passado e a gente acabou ficando. Noite passada a gente começou a se falar de novo e marcamos de sair hoje, só que no final ele simplesmente não deu as caras e mais ou menos uma hora depois do que a gente tinha combinado de se falar ele me manda uma mensagem pedindo desculpas e dizendo que não ia rolar. Oi?

Eu queria muito que acontecesse, primeiro porque há nove anos atrás eu não sabia o que eu estava fazendo e hoje eu queria fazer valer todos esses anos imaginando o que teria sido se tivesse acontecido naquele dia. Segundo porque ele é gato, ponto. Ele é um cara gato, que não vale o chão que pisa e eu tenho que manter o máximo de distância possível, porque qualquer tipo de sentimento significa dor, ele é assim, um ridículo. Acabou acontecendo mês passado, quando a gente se reencontrou, mas sério, isso é história demais e ele vale um post inteiro, se vale... Acabei falando mais dele do que deveria.

Acontece que minha cabeça e meu coração ainda estão presos naquele bendito cara que está do outro lado do mundo e que eu não faço ideia se vou ver de novo nessa vida. Hoje, enquanto eu me arrumava para "encontrar" o bendito do passado, pensava o tempo todo no outro, olhava no relógio e era 22:22, tocava a música que ele me mandou, sem querer escolhi a mesma roupa do dia que a gente ficou pela primeira vez. Sabe? É idiota tudo isso, mas cada vez que eu começava a fantasiar com o outro, alguma coisa pulava na minha frente e me fazia lembrar o cara que eu gosto de verdade. O cara que eu não sei mesmo se eu vou ver de novo na vida e mesmo que eu veja, que eu nem sei se vai ser a pessoa que vai ficar comigo pra sempre.

É normal ficar com peso na consciência por isso? Cada vez que acontece alguma coisa desse tipo eu só penso no tanto que eu queria estar com ele, de verdade, do fundo do coração. 

Depois do encontro que não aconteceu eu decidi não desperdiçar minha maquiagem linda e fazer minha festinha particular, fazendo aquilo que eu mais gosto que é ouvir minhas músicas e tomar uma heineken bem gelada. Eu só queria que ele estivesse aqui. 

Eu já contei sobre o meu medo de esperar que alguma coisa aconteça e ela nunca acontecer. Toda vez que me arrumo pensando em sair com alguém, por mais que tudo já esteja combinado, alguma coisa dá errado e eu acabo não saindo com essa pessoa. Hoje foi assim, eu passei um creme super cheiroso, fiz uma maquiagem linda que por mim não tiraria nunca mais, escolhi uma calcinha rosa de renda, coloquei uma roupa incrível. Nada deu certo. A única vez, de verdade, em todos esses anos, que eu me arrumei toda e deu certo foi com esse cara que eu não consigo parar de pensar. A única vez que eu esperei alguém me ligar e ele ligou, a única vez que aconteceu tudo do jeito que eu queria que acontecesse, foi com ele. Por isso eu fico me perguntando o tempo todo se tem algum significado nisso tudo, é tão diferente de todas as coisas estranhas que já aconteceram comigo.

São cinco horas da manhã e talvez eu tenha bebido demais, mas a vontade de ter ele do meu lado não para de aumentar. Pode ser que dia 22 de fevereiro a gente se encontre, daqui à um mês e dez dias, que são os 41 dias mais longos da minha vida.

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Um pedacinho


Ás vezes a gente espera tanto de uma relação que quando ela acaba a gente fica destruída. Mas cada homem que passa na nossa vida vem pra ensinar alguma coisa. Não necessariamente ensinar, pode ser que seja só pra apresentar uma música ou aquela banda incrível que virou sua banda favorita.

Teve um cara que eu só fiquei uma vez, amei intensamente e amo até hoje por ter me apresentado duas músicas e dessas duas músicas eu descobri uma infinidade de sons que me fazem bem demais. 

Teve um outro cara que foi o mais babaca que um cara pode ser. Sério, tenho nojo só de lembrar. Mas ele me apresentou uma banda que é de longe uma das minhas favoritas há anos. Não lembro dele quando eu ouço, mas quando lembro dele agradeço por ter me apresentado.

São pequenas coisas sabe? Mesmo que não tenha dado certo, valeu por aquela coisinha pequena (ou grande demais) que ele deixou em mim.